Sponsor Advertisement

Labels

Ads 468x60px

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Justice League - criticas online

Dois realizadores, uma imposição da Warner Bros de não ultrapassar as duas horas, um universo cinematográfico com historial de filmes menos bons. Como se saiu a Liga da Justiça com esta bagagem?


O Positivo:

- Entretenimento. Sim, temos filme, tanto para fãs de comics como de cinema em geral, agradável de se ver, do tipo que nos faz esquecer do mundo por algum tempo.

- Os heróis: o diálogo, as suas interações, a maneira como são revelados e como se comportam durante a ação, estas são personagens de que o publico vai gostar muito facilmente.


O Negativo:


- Um vilão fraco; aliás, muito fraco. Não fraco em poder, mas como personagem. Está ali só por estar, está para ser mau. Não há desenvolvimento.

- Uma historia que, talvez pela imposição de ser só de duas horas, parece apressada e sem profundidade.

- Efeitos gerados a computador no geral bons, mas que aqui e ali, especialmente com o vilão e talvez com Cyborg, que podiam e deviam ser melhores.



(Fontes: The Shmoesknow; Jeremy Jahns; Jonh Campea)

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Super-Homem Pelo Amanhã - critica, Geek Azores

Super-Homem, o homem de aço, o escoteiro da DC, o farol de esperança, o herói altruísta, que está a viver as repercussões de um mundo onde desapareceu um milhão de seus habitantes, incluindo a sua amada, Lois Lane, pergunta-se, por todo o livro, com um certo grau de culpa: e eu? Eu salvo todos, quem me salva a mim? Este é o pedaço mais interessante desta historia dividida em duas partes, que este super herói extremamente poderoso, este ser alienígena, está a ter este dilema. Isto e a amizade com o padre, que ao principio vê a sua fé um pouco abalada ao olhar para o Super-Homem quase como um Deus. A progressão desta amizade, do respeito dos dois um pelo outro, é maravilhoso de ler. Quanto ao resto, achei que a historia, o porquê de tudo estar a acontecer, leva demasiado tempo a desenrolar e que, pelo menos para mim, apesar de interessante, não compensou tanto a espera. Há também uma luta entre super-homem e Mulher Maravilha que, embora faça pouco sentido, é espetacular de ver.
A arte é linda, especialmente na luta entre os heróis, e na igreja com o padre.
Nota: 7/10



segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Blade Runner 2049 - uma obra de arte moderna

De vez enquanto vem um filme que me lembra porque gosto (adoro) cinema. É a minha forma de arte preferida. Para além das duas e tantas horas de escape - tempo normal de um filme -, faz-nos pensar, sentir, fica connosco.
Blade Runner 2049 vai para além do mero entretenimento, é provocador. Leva-nos a fazer questões existenciais. O que é estar vivo? O que significa ser-se humano?  O que é o amor? E o filme invés de dar-nos as respostas, deixa-nos (publico) enquanto indivíduos, decidirmos por nós. Essas respostas são um reflexo de quem somos.
A banda sonora agarra-nos, puxa-nos como gravidade. Por momentos já não estamos cá. É um mundo majestosamente lindo e realista. É inovador; acreditem ou não, ainda há espaço para fazer o que nunca vimos. Todos no filme, pareceu-me, têm o cuidado com a qualidade. E aqui quero realçar o trabalho de Denis Vileneuve, o realizador que nos deu também Arrival, ele é, na atualidade, um mestre do cinema. O filme desafia-nos a pensar e sentir junto com as atuações, que variam entre subtileza e explosões emocionais que vêm com o desenrolar da trama.
Esta é uma sequela digna do original, este é já um dos melhores filmes deste século - um clássico instantâneo.

domingo, 22 de outubro de 2017

Luke Skywalker e o lado Negro - especulação do trailer episodio 8


Um Jedi é um instrumento da Força, ele faz a sua vontade. Mas aqui Luke parece estar a ir contra a vontade da Força; guiado pelo medo: "medo leva à raiva, raiva leva ao ódio, ódio leva a sofrimento". Desde criança que eu queria, e quero - desejo -, ver Luke no papel de um mestre. E agora, parece que é ele que não quer esse papel. Ele está mais perto do lado negro do que alguma vez esteve, mesmo quando enfrentou Darth Vader e Darth Sidious na Estrela da Morte. Ele sofre de um pós traumático; seu sobrinho traiu-o, destrui o tempo jedi e matou todos os outros jedis que Luke treinou.
"Eu vi esse tipo de força bruta antes, não me assustou então, mas assusta-me agora", aqui Luke parece estar a falar com Rey e a referir-se a Kylo Ren (um aprendiz dotado que não conseguiu controlar), ou pode estar a falar de Snoke (já se podem ter encontrado antes), ou até pode ser uma referencia à antiga trilogia, estar a falar de Darth Sidous e de como, na altura, enfrentou de frente alguém bem mais poderoso, mas que agora, mais velho, está receoso.
"Isto não vai acabar da maneira como pensas" Luke pode estar a falar com Rey e a alertar-lhe do perigo que será seguir o caminho da força, ou então é um flashback e está a falar com Kylo Ren quando atacou o tempo jedi: "Isto não vai acabar da maneira como pensas", referindo-se talvez à má decisão de Kylo embarcar pelo lado Negro.
"Eu só sei uma verdade, é tempo dos jedi acabarem": citação negra de um personagem que nos faz lembram esperança, determinação e luz. Luke pode simplesmente estar a abandonar tudo, virar as costas à responsabilidade, ou a delinear um outro caminho, o negro, ou dos grey jedi (um caminho que segue os dois lados).

sábado, 21 de outubro de 2017

Thor Ragnarok - criticas online

Thor é o personagem do universo cinematográfico da Marvel que, segundo opinião generalizada, ainda não teve um grande filme. Será que é desta que o Deus Trovão conquistará o pulico?

O Positivo


- Os trailers já vinham apontar para uma vertente muito cómica, o bom disso é que não é às despesas da historia - existe um equilíbrio saudável.


- Diversão do principio ao fim, uma viagem em que podemos simplesmente desfrutar.

- Taika Waititi, o realizador, é talvez a verdadeira estrela deste projeto. Para além da energia que injeta no que é talvez o melhor filme de Thor, desempenha também um personagem (Korg) que é super carismático.

- Um bom vilão. Sim, leram bem, a Marvel tirou tempo para nos dar um bom vilão - têm sido pouquinhos.


O Negativo


- O maior ponto negativo vai talvez para o tom, se formos comparar com os outros dois filmes de Thor. Para aqueles que gostaram dos filmes anteriores, podem sentir que este talvez não encaixa com o personagem. 

- Um enredo e sub-enredo que por vezes faz parecer que isto merecia ser dois filmes separados. 



Em suma: Uma aventura divertida do principio ao fim, com um visual diferente.



(Fontes: Shmoesknow; IGN)

domingo, 8 de outubro de 2017

Blade Runner 2049 - criticas online

Fico sempre nervoso quando querem fazer uma sequela de um clássico, filme quase perfeito. Mas terei me preocupado em vão?


O Positivo:

- "Uma das melhores sequelas de sempre"; ousado, eu sei - tem como uma das frases . Este não é um reboot, o inicio de um fransishe, este filme é apenas e só uma sequela à altura de um já grande filme.

- As atuações: Ryan Goslin e Harrison Ford dão aqui boas prestações.

O Negativo:

- Demasiado longo para algumas pessoas. O original já tem reputação de levar o seu tempo a desenrolar a historia, e este segue o mesmo caminho. 



(Fontes: Chris Stukmann; Jeremy Jahns)

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Kingsman The Golden Circle - criticas online

Finalmente, a sequela que eu tanto esperava. É tão bom como o primeiro? Vamos ver o que a critica na internet nos diz:

O Positivo:

- De volta ao mundo espião. Sim, isso por si é positivo, Kingsman, o primeiro, apanhou-nos de surpresa e deliciou-nos. É ótimo poder voltar àquele mundo.

- Os Statesman - os Kingsman dos Estados Unidos da América. Novas armas, novas técnicas.


O Negativo:

- No lugar de continuar a inovar o género de espião secreto, fazem como Fast And Furious e copiam o género de super-heróis. Feitos sobre humanos em situações fantásticas. 

- Um vilão fraco. Sim, uma boa atriz, mas Juliane More não tem uma presença ameaçadora, não há aquele verdadeiro sentido de perigo. 

- Mais não significa, necessariamente, melhor. O filme teria sido mais bem conseguido com uma historia linear. 


Em suma: bom entretenimento que peca pelo espetáculo já sem surpresa. 



sábado, 16 de setembro de 2017

The Walking Dead já não presta?

The Walking Dead mordeu a televisão e transformou-nos instantaneamente em fãs . Tornou-se num dos mais populares programas de tv da atualidade, numa das melhores séries. Mas o que é que aconteceu? Eu pessoalmente, que não podia perder um único episodio, nem uma única vez, vi-me a esquecer de seguir a série nesta ultima temporada. Porquê? Bem, várias razões, principalmente porque acho que a série tem vindo a descer em qualidade, e eis o porquê:

- A ultima temporada: a temporada 7 é a razão principal por eu estar a escrever isto, mas estes já são problemas que vinham a notar-se com a progressão da série. A sete foi, basicamente, as preliminares antes do sexo; sem o sexo. Uma grande antecipação para um grande nada. A preparação para a guerra que nunca chegou; ok, sim, houve uma batalha no fim, mas guerra, guerra, só para a próxima.

- Demasiadas personagens: as historias estão diluídas entre as personagens principais e que queremos saber mais, e personagens dispensáveis que ocupam só espaço e tempo. Um trás para a frente de personagens que parece não evoluírem: Rick, um líder impecável, noutras vezes um maníaco que não quer liderar ou é um cobarde que desiste, mas não exatamente. Ou Carol, vitima de violência domestica, evolui para uma das mais fortes personagens da série, para depois regredir, sem aparente razão, para um menina que só quer reclusão e chorar por ter sobrevivido até então. Agora parece querer voltar a lutar (o trás para a frente).

- Cenários e locais: parecem baratos; porque o são. Todo o programa parece ter um orçamento minúsculo. A série é composta de casas degradadas e abandonas e armazéns (todos iguais); sim eu sei que é um mundo pós apocalíptico, mas fogo, ponham alguma imaginação nisso. Todas as comunidades parecem iguais com a variante de uma comunidade ter um armazém ligeiramente maior que outra, ou uma comunidade viver numa floresta e outra e tem casas ligeiramente mais limpas.

- A realização: The Walking Dead nunca foi um show de total terror (talvez por ser de tv, ou por passar em horários em que espectadores mais novos ainda o podem ver), mas foi sempre uma série de nos fazer agarrar à cadeira com o que podia vir a seguir. Lentamente começou a abandonar esta sua direção. Não é, nem um pouco, assustador.
Negan, um grande vilão, podia ser muito melhor aproveitado com a camara num outro ângulo, um aproveitar das sombras, a musica, algo para fazer a sua bela atuação sobressair ainda mais.
É fácil adivinhar quem vai morrer, dão, quase sem explicação, demasiada atenção à personagem naquele episódio.

- Má coreografia: estou a pensar na luta de empurrões de Rick com um Walker num foço de carros.já não se percebe como os heróis continuam a ser surpreendidos por seres tão absurdamente desastrados, barulhentos e lentos como os Walkers.
Todos parecem morrer pelas pior decisões possíveis, por decisões estupidas que as metem desnecessariamente em perigo. Rick a tentar apanhar um veado e a cair no meio de Walkers.  Rosita e Sasha a meterem-se no ninho de vespas (complexo de Negan) à espera de não sei o quê além de serem picadas.

- O Enredo: Armas e alimentos que aparecem quase do nada quando a historia assim o exige. Até os personagens dizem: "não te preocupes, as coisas vão melhorar"; e melhoram. Tropeçam num lugar cheio de comida ou pistolas. Não há plano, a não ser, andemos nesta direção a ver o que acontece.

Eu adorava Walking Dead e quero muito que volte à boa forma. Voltemos a dar o protagonismo aos Walkers (as verdadeiras estrelas da série), que nos consigam arrancar sustos com o que pode vir a acontecer, invés de só o que acontece meio aos tropeções. Voltemos a dar seguimento à historia, invés de ficar estagnados no mesmo.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

It - criticas online

It  não é um filme que estaria à partida no meu radar, mas caramba, os trailers, a banda sonora e já algum travo das atuações, fisgaram-me.


O Positivo

- It promete assustar até os já calejados fãs do género de terror.

- As atuações são boas, muito boas, excelentes até: a dos miúdos, em especial. Muito se deve ao diálogo e à entrega credível desse mesmo diálogo. Pennywise está potencialmente a caminho de ser um ícone do terror.

- Uma das melhores adaptações do autor Stephen King.


O Negativo

- Nenhuma adaptação é perfeita, alguns fãs  podem ficar desapontados com a inclusão ou exclusão de algumas cenas.


Em suma: uma experiencia cinematográfica que não desapontou as expectativas.

(Fontes: Chris Stukmann; Jeremy Janhs; IGN)

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Spider-man Homecoming - CRITICAS online

Em competição com Batman, Spider-man lança um novo filme. Estes são os herois mais representados no grande ecrã, mas ao contrário de Batman que teve, pela maior parte, bons e grandes filmes, Spider-man teve só alguns bons e outros muito maus. Pode este estar à altura da grandeza do personagem? Vamos ver:

O Positivo: 

- O melhor filme Spider-man, e já tivemos cinco, desde o Spiderman 2 com Toby Maguire.

- Tem talvez o melhor vilão desde Looki no Universo cinematográfico da Marvel. É um vilão com presença.

-  Apesar do ser o sexto filme, ainda consegue introduzir algo novo e ser diferente dos outros Spider-man.


O Negativo:

- Falta de intensidade, sem risco significativo ou perigo.

- Sente-se que é um filme Marvel, quase que não se distingue dos demais. Não ascende, como alguns outros (Winter Soldier ou Guardians of The Galaxy, etc), a patamares de singularidade e espectacularidade.


Em Suma: Um bom filme Spider-man, mediano entre os restantes da Marvel

(Fontes Jeremy Jahns; Chris Stuckmann)

Tiago Dutra

A minha foto

Quantas vezes ouvi: "Já não tens idade para isso". E enquanto me tentava encaixar no que julgavam certo, largava o que era certo para mim, uma luz foi-se extinguindo. Foi só quando me aceitei por quem sou: um geek, que abracei a imaturidade dentro do meu corpo já adulto, é que me permiti ficar mais solto, ganhar liberdade, ser mais feliz. 
Eu gosto de comics, adoro cinema, aprecio arte de fantasia, adoro escrever, primeira paixão foi a TV, ainda vejo animação, gosto de historia: meus escapes. 
Ser geek não é usar óculos e ser franzino, esse é o estereotipo, ser geek é viver com paixão aquilo que gostamos; podemos todos ser geeks. 
Dar asas à minha imaginação e criatividade, ser eu mesmo,permitiu-me realizar sonhos: publiquei o livro “Terra Antiga o Duelo”; participei no livro “Contos ao Vento”. Minha primeira experiência na blogosfera: pensamento-indescoberto. Entrei nos Workshops de Pedro Chagas Freitas; tenho também um canal no youtube com o mesmo nome que este blogue.
Posso estar a envelhecer, mas enquanto me deixar ser imaturo, posso também, de uma maneira, ser jovem para sempre.

Geek Azores youtube (videos pessoais geek)
Geek azores blog (assuntos geek, escapes À realidade))