Sponsor Advertisement

Labels

Ads 468x60px

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Warcraft - As Criticas

Será que um filme que tem nas costas mudar a opinião sobre as adaptações de video-jogos, geralmente maus, consegue ser bom?
Este é um apanhado das primeiras criticas online.
Nota: não é a minha opinião (ainda não vi o vi).


O Positivo:

- Descansem os mais pessimistas, o CGI, que o filme é fortemente apoiado, está bom, mais que bom, está otimo. Depois dos primeiros minutos sente-se que somos transportados para aquele mundo.

- Os Orcs: as suas motivações são claras e o filme puxa boas actuações dos actores no motion capture, a de Toby Kebbell em especial (Durotan).

- Muitos easter eggs que vão deixar os fãs contentes.


O Negativo:

- O casting na parte dos humanos podia ser melhor, alguns actores não encaixam nas suas personagens ou não têm presença para carregar um filme assim.

- O filme serve bem os fãs, como já disse no positivo, é para eles que este filme é feito, são eles que o vão apreciar melhor, também deve atrair os que gostam do género de fantasia, mas é pouco apelativo, adivinha-se, para o publico em geral.

- A narração é pouco coerente e coesa, mais uma vez, para os que não estão tão por dentro de Warcraft


Em resume: Um filme bom, de bom entretenimento, que tinha potencial para mais, mas que não atingiu aquele nível de espectacular.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Um dia na vida de um geek

Então, hoje vou fazer uma coisa diferente, um  dia na vida de um geek - um dia da minha vida.
Geeks, quem são? São tu e eu, médicos, taxistas, pedreiros, estudantes. Existimos em todas as formas, cores, idades e feitios, e alguns nem têm óculos; é o descalabro. Pessoas com paixão pelo que gostam.
Hoje acordo para um dia de chuva, preparo a minha filha para a escola, faço planos para ir aos correios e a mais uns lugares - suspiro ao olhar pela janela. Típico, só depois é que dou por mim que é feriado; mudança de planos. Olho para o Regresso do cavaleiros das Trevas, à cabeceira e penso: mais logo vou ter contigo. Visto a t-shirt do Mickey, ponho-me confortável, faço o que qualquer bom português faz num dia como o de hoje: sofá e televisão, mas com a menina em casa, tinha de arranjar algo para os dois, eu não ia querer ver um episódio da Chica Vampira e ela não ia querer seguir um comentário sobre Roma. Em caso de duvida nunca há erro em puxar um filme Star Wars ("A Nova Esperança" foi o escolhido). Depois do almoço, aquela preguiça normal, vou ao ao youtube, oiço as primeiras criticas de Warcrafth (publico-as amanhã).
Escrita: sempre escrita. O dia tem de ter nem que uma frase no papel, ou ecrã, para ser completo.
E assim vai o dia a meio, daqui a bocado exercícios, ler ou ver mais um filme, que a chuva, essa, veio para ficar.

terça-feira, 24 de maio de 2016

Beauty and The Beast trailer #1 - Opinião.

Eis o meu problema, trailer, no título deste video. Tinha ficado muito melhor teaser. Para quem não sabe, um teaser é suposto só nos molhar o bico (por assim dizer), dar uma leve impressão do que vem, e trailer já mostra mais, dá a conhecer personagens e uma indicação do que é a historia. Foi claro que o que tivemos aqui foi um teaser. Posso ser só eu, mas isto foi algo que me incomodou, estava à espera de uma coisa e tive outra; enfim.
Quanto ao conteúdo, até me deu arrepios. Vamos ser honestos, todos temos ligações fortes com os clássicos da Disney - animação - e é fantástico estas abordagens, ação real, agora. São como presentes para nós, agora adultos. O palácio parece uma cópia fiel ao que já conhecemos, e a maneira como envelheceu, subtil, ficou muito bem. Emma Watson, excelente escolha, boa atriz, bonita, se bem que me surpreende não terem ido com uma atriz menos conhecida, mas enfim, não vão ter reclamações minhas neste aspecto. Gostei do visual realista, algo que se perde muitas vezes em adaptações de animação ou filmes de fantasia.
Resumindo: venha o filme, estou entusiasmado por o ver.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

O melhor comic que já li


Para aqueles que ainda não sabem, e as pistas estão por todo este site, eu sou um grande fã de Batman, por isso, não é com surpresa que o melhor comic que já li, o que mais gostei, é um do cavaleiro das trevas. À uns tempos atrás consegui esta otima coleção, que para além de uma capa fantástica, em celebração dos setenta e cinco anos do super-herói, tinha muitos dos exemplares que eu sempre quis.
Batman o Longo Holloween: mastiguei bem na historia e fiquei com vontade de repetir assim que acabei. Visualmente lindo, com todos os ingredientes, o uso das sombras, a capa esvoaçante, um Batman imponente, uma Gotham quase viva. Mas o melhor está na historia, mergulhamos fundo no sub-mundo da cidade, nas famílias mafiosas enquanto ainda no seu auge, antes dos super-vilões que viriam a tomar conta da cidade. Batman, o melhor detective do mundo, junto com Jim Gordon e Harvey Dent, investigam uma série de assassinatos que ocorrem em dias feriado, enquanto isso vamos tendo aparições de diferentes vilões como o Joker, Poison Ivy, ou Catwoman. Nós como leitores tentamos também fazer sentido das pistas, mas não importa o que descubramos, o livro ainda assim nos surpreende - brilhante.






domingo, 22 de maio de 2016

Brinquedos para adultos

"Sinto-me a definhar sem estas coisas"

Este, foi um mês bom. Não é inexplicável um adulto querer uma ligação com a sua juventude; afinal, todos os homens são umas crianças por dentro, e se não o são, que porcaria de adultos se tornaram. Se eu quisesse ser como toda a gente vivia infeliz e negava-me aquilo que gosto, por tanto, eu compro brinquedos enquanto adulto.
Cresci relutante, porque ainda não inventaram uma cura contra a velhice. A coleção de action figures é um lutar contra o tempo, objectos que nos recordem, geeks, de uma altura melhor: escapes.
Este mês recebi duas figuras ricas em detalhe. A primeira foi Gohan, filho de Goku, em três peças (a base, pernas e o resto). A outra foi um Batman Dark Night que pude juntar ao que já tinha: Batman do Arkham Games.
Não sou de gastar muito dinheiro com estas figuras, de facto, tenho regras quanto a isso, mas o preço/qualidade valeu a pena, e se comprar estas figuras me distraem, nem que por segundos, do mundo, trabalho, despesas e obrigações, então valeu mesmo a pena.
 


quinta-feira, 12 de maio de 2016

Assassins Creed trailer #1 - Opinião

O que se passa com estes trailers épicos e a musica mal escolhida? Aconteceu em Warcraft e agora aqui. Talvez seja um problema das adaptações de jogos para o cinema. A sério, mais vale pôr em mudo e mudar para uma das musicas do jogo. Fico chateado porque com um som melhor o trailer ia, sem duvida, criar um melhor impacto.
Visualmente, esteticamente, os cenários, está lindíssimo. Muitos saltos, muita correria, tal como no jogo, a acção parece bem coreografada também, mas isso aconteceu com Prince of Persia e esse filme ficou aquém das expectativas. A historia é a que vai colar isto tudo, no enredo está o segredo para o sucesso - nem tudo é visual. A actuação não me preocupa, Michael Fassbender é um excelente actor que pode fazer qualquer coisa e o restante elenco está ao seu nível. No próximo trailer já vamos poder, acho eu, ter uma melhor noção da historia, e se vamos, ou não, aceitar esse mundo como verossímil; com sorte, vamos ter também uma musica melhor.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

X-Men Apocalypse - as criticas

Um filme que tem ficado na sombra de Batman V Superman e Captain America Civil War tem agora a sua oportunidade de brilhar sozinho. Antes mesmo de estrear, já existem criticas e não são consensuais, mas vou tentar fazê-las valer aqui em baixo, dividindo, como costumo, entre o positivo e o negativo:

Positivo: 

- O filme tem bom entretenimento e explora uma vertente não muito linear ao habitual filme de super-heróis, refrescante para alguns críticos.

- A relação entre Magneto e Xavier, o choque das filosofias, continua, sem surpresa, a ser um dos pontos altos deste tipo de filmes. Os actores que os interpretam dão outra vez as melhores interpretações.

- Jeniffer Lawrence (Mystique), que muitos fãs se preocupavam de não ir desempenhar bem o seu papel, cumpriu adequadamente.

- Apocalypse, apesar de não ser um dos melhores vilões de sempre, cumpriu e não foi nem de perto tão mau como se chegou a temer.

- Quicksilver volta a roubar a melhor cena.


Negativo:

- O filme não é tão bom como Days of Future Past (criticamente aclamado como um dos melhores do franchise). Porque não, depois de ver um bom filme, querer que a sequela seja, ao menos, ao mesmo nível?

-  Demasiadas personagens, demasiados sub-enredos, um enredo principal pouco coeso - o filme é longo e sente-se que é longo. Onde é que eu já vi isto este ano?

- A coerência da linha do tempo entre todos os filme X-Men, ao contrário do universo cinematográfico da Marvel, tem falhas, é notório, quase que já se pode atirar porta fora.

domingo, 8 de maio de 2016

Game of Thrones: cuidado com as mortes

Este post vai ter spoilers da temporada 6 (pelo menos até ao episódio 2), se ainda não viu, tenha cuidado.
É inegável que Game of Thrones tem a maior produção da TV neste momento, talvez até em toda a historia da televisão - sua escala é gigantesca.
O show demarcou-se logo ao principio ao não mostrar nenhum remorso em matar as suas personagens principais, até alguns dos preferidos dos fãs.
A morte tem feito tanto parte da série que já quase não surpreende. A morte de Bolton, por exemplo, foi quase como um aperto de mão: ora toma lá, passemos à cena seguinte; mais do mesmo que os fãs esperam. A morte da senhora Bolton e do bebé, sim, ainda conseguiu fazer fãs pestanejar, principalmente pela forma grotesca e por haver um bebé. A morte de Lord Balon, embora visualmente espectacular (o cenário), foi algo tipo: ok, você não esteve muito na série, mas precisamos mostrar agora a sua morte aqui. O ressuscitar de Jonh Snow, estou certo que servirá a historia porque Snow é, segundo algumas teorias, bem mais importante do que parece - bem mais -, levantará agora sempre a questão: porquê não trazer também esse ou essa de volta?
Game of Thrones começa a passear no fio fino onde o imprevisível se torna a norma - previsível. É preciso ser-se inteligente para ainda conseguir enganar os fãs (para o bem deles). A imprevisibilidade é uma das peças fundamentais que deu a esta série a sua popularidade.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

A Carta e o Email - por Tiago Dutra e Michael Rocha.

Em colaboração com o muito talentoso Michael Rocha, que faz excelentes pinturas e ainda diz, não sei se por humildade, estar num caminho de aprendizagem, surge esta obra. É a maravilha de se ter um blogue, de escrever, de estar atento a novos artistas, da necessidade de criar e apreciar o que criam.
O desafio: Eu e Michael tínhamos de inspirar-nos um no outro. Eu criava um texto e ele tirava inspiração e pintava, depois trocávamos e era ele o primeiro a criar e eu tinha de escrever a partir do seu trabalho. Enquanto isso, o tema era AMOR e tínhamos de mostrar ambos os lados do casal -  o dele e o dela. 
O resultado é algo que estamos os dois orgulhosos. Espero que gostem.


1º desafio: o Michael pintar sobre o que escrevi.

Arte de Michael Rocha
Querido Tiago,
O amor tem limites, não conquista tudo, nem é a maior força do mundo; eu culpo esta cultura que galopa às cegas no que lhe dizem. O amor é uma e uma coisa só: como me fazes sentir a meu respeito. Tu, dono e senhor desta relação, fizeste-me sentir a inquilina com renda por pagar; e eu teria comprado tudo, tudo mesmo, se ao menos tivesses deixado. Eu não pedi um príncipe ou cavaleiro andante, eu queria um simples costureiro que me vestisse de sorrisos todos os dias.
És uma escultura de homem, mas por dentro és impecavelmente imperfeito. Tens necessidades que sugaram as minhas; secou-me. Eu ajudei-te a encontrar a tua voz, e no fim escolheste o silêncio – que seja.
Eu mereço uma vida de problemas aplanados e tu deste-me altos e baixos, curvas e contracurvas de emoção, um fugir, sem esconderijo, de monstros que tu próprio construíste.
Tem sido um longo caminho, o nosso, e acho que vou ficar por aqui; o longo adeus pelo fino fio da amizade ou o rápido, mas nunca indolor, desprender de tudo; escolhes.
Há um tu aí algures que eu ainda amo pelo que me faz sentir, mas eu prefiro ter uma tristeza completa do que uma meia felicidade, metade de tudo é também metade de nada. Eu estive contigo porque eu quis, nunca porque precisei, esta foi a minha oferta – livre arbítrio –, escolher-te, dar-me; ninguém vai ser o arquiteto da minha vida, não mais, não nunca, não mesmo: voo com as minhas próprias asas.
Adeus.
Texto de Tiago Dutra 


2º desafio: eu escrever sobre a pintura do Michael. 

Arte de Michael Rocha
Olá Paula,
Seis meses é muito tempo.
Perguntava-te como estás, mas tenho medo que a resposta seja outra coisa que não: estou com saudades tuas; vou, invés disso, dizer-te como estou: corro, de perna curta, à frente das memórias que tenho de ti, mas hoje, cansado, deixei-me apanhar.
Tenho feito uso da imaginação como escape, posto os problemas a uma distância tolerável – o mundo cabe num bolso quando se tem imaginação. A vida é uma tela salpicada em tons cinza, a criatividade adiciona cor, e a imaginação faz-nos nadar na pintura.
Deviam ensinar-nos, desde pequenos, na escola, o que fazer depois de uma separação, ando a tatear, às cegas, esse caminho. O pós-relação é um período de perguntas sem respostas, de um silêncio que não sabe se vai, se fica. Há dias de saudade, arrependimento e até raiva; sou um sobrevivente pós-amor.
Confesso: hoje em dia, apaixono-me duas ou três vezes por dia, todos os dias. Vocês mulheres: cada uma com seu encanto. Há sempre uma maneira de andar, falar, vestir, um perfume novo, o tempo que dão aos vossos penteados, vocês são verdadeiramente uma das maravilhas da vida; e depois eu lembro-me de ti e caem todas em defeitos. A vaidade ficava-te tão bem, tinhas o tamanho certo de confiança sem seres convencida. Sabes, só se vive verdadeiramente quando se é desordeiro com as emoções, e nós fomos uns rebeldes.
Fui visitar a sombra debaixo da nossa árvore, aquela onde fizemos amor tantas vezes, persegue-me nas fantasias.
Em suma: estou bem, como vês. E essa é a versão a que vou agarrar-me enquanto de ti não ouvir: estou com saudades tuas.
Beijo.
Texto de Tiago Dutra


Nota: Visitem o Michael AQUI, ele tem publicadas obras fantásticas.


Tiago Dutra

A minha foto

Quantas vezes ouvi: "Já não tens idade para isso". E enquanto me tentava encaixar no que julgavam certo, largava o que era certo para mim, uma luz foi-se extinguindo. Foi só quando me aceitei por quem sou: um geek, que abracei a imaturidade dentro do meu corpo já adulto, é que me permiti ficar mais solto, ganhar liberdade, ser mais feliz. 
Eu gosto de comics, adoro cinema, aprecio arte de fantasia, adoro escrever, primeira paixão foi a TV, ainda vejo animação, gosto de historia: meus escapes. 
Ser geek não é usar óculos e ser franzino, esse é o estereotipo, ser geek é viver com paixão aquilo que gostamos; podemos todos ser geeks. 
Dar asas à minha imaginação e criatividade, ser eu mesmo,permitiu-me realizar sonhos: publiquei o livro “Terra Antiga o Duelo”; participei no livro “Contos ao Vento”. Minha primeira experiência na blogosfera: pensamento-indescoberto. Entrei nos Workshops de Pedro Chagas Freitas; tenho também um canal no youtube com o mesmo nome que este blogue.
Posso estar a envelhecer, mas enquanto me deixar ser imaturo, posso também, de uma maneira, ser jovem para sempre.

Geek Azores youtube (videos pessoais geek)
Geek azores blog (assuntos geek, escapes À realidade))