Sponsor Advertisement

Labels

Ads 468x60px

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Fantastic 4 - Não é assim tão mau. Estarei doente?

Finalmente vi o infame: Fastastic Four (2015), filme tornado vilão pelos fãs de comics, nomeado para pior filme do ano. E o que é que eu achei? Não é assim tão mau, é normal, vê-se. Surpreendido com a minha reação eu procurei respostas:

A) Com base nas más criticas, fui adiando ver o filme, quando finalmente o vi as minhas expectativas estavam mesmo em baixo, tudo o que viesse, a partir daí, só podia ser bom.
B) O filme teve pesadas e excessivas criticas por parte dos fãs. Não sou assim grande fã dos Fantastic Four - não me deixei afectar?
C) O filme, mesmo antes de sair, já era atacado, as pessoas já estavam predispostas a não gostar, fosse o que fosse.
D) O filme foi realmente horrível e eu tenho é mau gosto.

Reconheço que não é um grande filme, mas também está longe de ser o pior que já vi, a sério. Gostei do suspense de ficção cientifica, fez lembrar Alien. Gostei da nova historia de origem da equipa - viajar para outra dimensão, invés do espaço. Gostei da voz de Dr Doom e, infelizmente, foi só disso que gostei do vilão, o seu visual estava atroz, aí tenho de dar a mão à palmatoria.
Se eu puser numa balança Fastastic Four e os filmes Gost Rider (os dois) eu prefiro Fantastic Four. Se puser na balança com o primeiro Hulk realizado por Ang Lee, eu prefiro Fantastic Four. Não é o melhor filme de SuperHerois, mas também não é o pior.


0 comentários:

Enviar um comentário

Tiago Dutra

A minha foto

Quantas vezes ouvi: "Já não tens idade para isso". E enquanto me tentava encaixar no que julgavam certo, largava o que era certo para mim, uma luz foi-se extinguindo. Foi só quando me aceitei por quem sou: um geek, que abracei a imaturidade dentro do meu corpo já adulto, é que me permiti ficar mais solto, ganhar liberdade, ser mais feliz. 
Eu gosto de comics, adoro cinema, aprecio arte de fantasia, adoro escrever, primeira paixão foi a TV, ainda vejo animação, gosto de historia: meus escapes. 
Ser geek não é usar óculos e ser franzino, esse é o estereotipo, ser geek é viver com paixão aquilo que gostamos; podemos todos ser geeks. 
Dar asas à minha imaginação e criatividade, ser eu mesmo,permitiu-me realizar sonhos: publiquei o livro “Terra Antiga o Duelo”; participei no livro “Contos ao Vento”. Minha primeira experiência na blogosfera: pensamento-indescoberto. Entrei nos Workshops de Pedro Chagas Freitas; tenho também um canal no youtube com o mesmo nome que este blogue.
Posso estar a envelhecer, mas enquanto me deixar ser imaturo, posso também, de uma maneira, ser jovem para sempre.

Geek Azores youtube (videos pessoais geek)
Geek azores blog (assuntos geek, escapes À realidade))